Ir direto para menu de acessibilidade.
Você está aqui: Página inicial > Notícias > Londrina debate nesta quarta-feira (28) a criação do Programa de Parques Lineares
Início do conteúdo da página

Londrina debate nesta quarta-feira (28) a criação do Programa de Parques Lineares

  • Publicado: Quarta, 28 de Abril de 2021, 08h58
  • Acessos: 194
imagem sem descrição.

Iniciativa visa fomentar parcerias e ações voltadas à recuperação, proteção, desenvolvimento turístico e urbanístico dos fundos de vale

 

A Prefeitura de Londrina, por meio do Instituto de Pesquisa e Planejamento Urbano de Londrina (IPPUL), promove nesta quarta-feira (28), às 10h, uma reunião virtual para discutir a proposta de criação do Programa de Parques Lineares do município. O objetivo da iniciativa é fomentar parcerias e ações voltadas à recuperação, proteção, desenvolvimento e manutenção dos mais de 80 cursos d’água e respectivos fundos de vale que compõem os Parques Lineares dos ribeirões Jacutinga, Lindóia, Limoeiro, Cambezinho/Igapó e Cafezal.

 

Para essa primeira reunião, o IPPUL convidou universidades e institutos de pesquisa, órgãos públicos municipais e estaduais relacionados ao tema e entidades comunitárias, profissionais e empresariais. Até o momento, 30 organizações já confirmaram presença.

 

Realizado por meio da plataforma Google Meet, o encontro será aberto ao público. Quem desejar acompanhá-lo deve se inscrever enviando um e-mail para O endereço de e-mail address está sendo protegido de spambots. Você precisa ativar o JavaScript enabled para vê-lo., informando seu nome, organização de que faz parte, cargo, telefone e número de WhatsApp.

 

De acordo com o diretor-presidente do IPPUL, Tadeu Felismino, as discussões sobre o Programa de Parques Lineares visam criar uma governança que reúna diversos setores e instituições londrinenses, interessados em captar recursos e viabilizar projetos de forma conjunta. “Pretendemos valorizar e proteger cada vez mais os nossos fundos de vale, desenvolvendo ações como a implantação de ciclovias e rotas de caminhada voltadas ao lazer, turismo, cultura e ecologia. As parcerias entre o poder público e o setor privado podem produzir grandes resultados nesse sentido”, afirmou.

 

Ainda segundo Felismino, Londrina é uma cidade que se destaca nacionalmente, há décadas, pela preservação de suas áreas verdes. “Nossos fundos de vale são protegidos desde a criação da Lei no 133/1951, que é a primeira com esse propósito no Brasil. Como resultado dessa legislação, a cidade pôde manter um equilíbrio razoável, mesmo crescendo dos 30 mil habitantes para o qual havia sido planejada para a marca de quase 600 mil londrinenses. Os espaços verdes de Londrina são verdadeiros tesouros que permitem à cidade respirar, evitam inundações e oferecem grandes benefícios ambientais e urbanísticos para a população”, salientou.

 

Os debates sobre o Programa de Parques Lineares contam com a importante participação de professores da Universidade Tecnológica Federal do Paraná (UTFPR) – Campus Londrina, que vêm conduzindo projetos de pesquisa aplicada ao desenvolvimento da hidrobacia do Cambezinho/Igapó.

 

O professor, doutor em Economia e chefe do Departamento de Apoio e Projetos Tecnológicos da UTFPR, Marcos Rambalducci, explicou que a instituição conta com seis projetos de mestrado na área de Engenharia Ambiental, voltados à análise do comportamento das águas e sua relação com a paisagem urbana. “Essas pesquisas científicas são coordenadas pelo professor-doutor Jorge Martins, que é especializado em Física e Meteorologia. Ele integra o consórcio Rain Solutions, uma iniciativa formada por universidades do Brasil e de diversos países europeus que busca soluções naturais para problemas como inundações, intempéries e outros fenômenos climáticos”, citou.

 

Rambalducci frisou que, além de formular respostas científicas para desafios relacionados às mudanças climáticas, a UTFPR considera as bacias hidrográficas londrinenses como pontos de grande potencial turístico. “Nossa ideia é criar um percurso unificado para que pedestres e ciclistas possam percorrer os fundos de vale e cursos d’água. Isso traria um potencial turístico espetacular para a nossa cidade”, salientou.

 

Histórico – Em 1998, o IPPUL realizou o primeiro estudo estruturado para a implantação de um parque linear integrado na bacia do Cambezinho. Dez anos depois, as discussões continuaram no âmbito do projeto “Rio da Minha Rua”.

 

parques fundos de vale div 1

Em 2020, o prefeito Marcelo Belinati assinou o decreto n° 949, reconhecendo e denominando os cinco Parques Lineares de Londrina: Jacutinga, Lindóia, Limoeiro, Cambezinho e Cafezal. O ato também define padrões de identidade visual para sinalização, equipamentos e mobiliário a serem utilizados nos projetos desenvolvidos pelo IPPUL.

 

Atualmente, a Prefeitura de Londrina trabalha para a viabilização de 15 projetos elaborados pelo órgão, relacionados aos fundos de vale. As ações incluem, entre outras melhorias, a implantação de pistas de caminhada, ciclovias, equipamentos de esporte e lazer, nova sinalização e iluminação de LED.

 

Além do IPPUL, as iniciativas contam com a participação do Instituto de Desenvolvimento de Londrina (Codel); Companhia Municipal de Trânsito e Urbanização (CMTU); Sercomtel Iluminação; e secretarias municipais do Ambiente (Sema); Obras e Pavimentação (SMOP); e Planejamento, Orçamento e Tecnologia (SMPOT).

 

 

Para a imprensa: outras informações podem ser obtidas com o diretor-presidente do IPPUL, Tadeu Felismino, pelo telefone (43) 3372-8400; ou com o chefe do Departamento de Apoio e Projetos Tecnológicos da UTFPR, Marcos Rambalducci, pelo telefone (43) 98810-6666.

registrado em:
Fim do conteúdo da página